Balanço Patrimonial: o que é e como fazer

    Também conhecido por BP, o Balanço Patrimonial é uma obrigação legal da empresa que registra todo o seu patrimônio e, consequentemente, apresenta sua situação financeira em um determinado período. Os dados demonstram, de forma qualitativa e quantitativa, as posses de bens, as obrigações e os direitos.
    Mas você sabe como fazer Balanço Patrimonial e por que ele é tão necessário? Muitos empresários ou colaboradores dos setores contábeis das companhias têm dúvidas relativas ao assunto.
    Para esclarecer esses questionamentos, listamos uma série de pontos de divergência sobre o tema e os responderemos a seguir, para que você entenda o que é e para que serve o Balanço Patrimonial. Acompanhe os tópicos abaixo!

    Como fazer uma boa leitura do Balanço Patrimonial?

    Para entender a importância de se fazer uma boa leitura do BP, é preciso saber, de antemão, o que é Patrimônio. Trata-se de tudo o que a empresa tem e deve. Tais valores são separados em duas categorias: os ativos e os passivos. Eles também dão origem ao chamado Patrimônio Líquido.
    Vamos explicar brevemente a definição de cada um deles nos próximos parágrafos. Acompanhe!

    Ativos

    Trata-se da soma dos bens (ou seja: de tudo aquilo que apresenta um valor econômico) com os direitos, que incluem os recursos a serem recebidos futuramente. As vendas à prazo e os títulos a receber são alguns dos exemplos.
    Tudo o que a empresa tem, como sua estrutura física, os objetos de trabalho e equipamentos, o dinheiro em espécie no caixa, os valores guardados em banco e os produtos armazenados em estoque, entre outros, é considerado ativo.

    Passivos

    Já os passivos dizem respeito às obrigações financeiras do negócio, incluindo dívidas e valores a serem pagos aos fornecedores ou empresas parceiras. Pagamentos de funcionários e fornecedores, portanto, são exemplos de passivos.

    Patrimônio Líquido

    Há, ainda, uma terceira categorização, que se refere ao Patrimônio Líquido (PL). Ele representa a riqueza efetiva da empresa, ou seja, o que resta após os pagamentos de todas as obrigações em dívidas. Entretanto, o PL é parte do passivo, pois abrange uma obrigação da empresa, como pessoa jurídica, com os acionistas (como pessoas físicas).

    Como proceder na prática?

    Agora que você já sabe como se configura o patrimônio de uma empresa, vamos explicar a constituição de um Balanço Patrimonial. Auditores, administradores e contadores aproveitam esse documento — que, vale destacar, é exigido por lei em muitas companhias — para estudar a saúde financeira de um negócio.
    A precisão do relatório também pode contribuir para que investidores analisem a possibilidade de maiores valores serem aplicados na marca. Tudo isso justifica como o balanço é relevante até mesmo para garantir que a empresa receba investimentos de terceiros ou obtenha empréstimos e, assim, expanda sua área de atuação, por exemplo.
    A estrutura deve seguir as regras gerais da contabilidade, mas a padronização do relatório pode ficar de acordo com a regulamentação interna de cada instituição. De qualquer maneira, ele deve se apresentar em um formato bem simples: duas colunas, cada qual com informações específicas.
    Na do lado esquerdo, é preciso adicionar as informações referentes ao Patrimônio Ativo. Já na da direita, ficam os dados do passivo e do Patrimônio Líquido. Observe o funcionamento na tabela abaixo.

    Balanço Patrimonial
    ATIVO PASSIVO
    Bens
    +
    Direitos
    Obrigações com terceiros
    PATRIMÔNIO LÍQUIDO
    Obrigações com a empresa
    TOTAL ATIVO $ TOTAL PASSIVO $

    Qual é a relação entre o Balanço Patrimonial e a análise financeira e econômica?

    São dois os principais aspectos a serem estudados na questão financeira por meio do Balanço Patrimonial: a liquidez e a solvência. Ambos dizem respeito às previsões sobre a relação da empresa com suas dívidas: a liquidez vai avaliar a capacidade de quitar todas as dívidas em um determinado período, enquanto a solvência fará previsões sobre a possibilidade de falência.
    A análise econômica, por sua vez, leva três critérios em consideração — rentabilidade, rotatividade e produtividade. A primeira fala sobre a capacidade de fazer o investimento inicial render lucros para o negócio.
    Já a rotatividade avalia a movimentação de estoque e dos títulos da marca, o que impacta diretamente na rentabilidade. Por fim, a produtividade analisa a produção de bens e suas taxas de venda.

    Por que é importante manter o Balanço Patrimonial sempre atualizado?

    O indicado é que uma empresa mantenha seu Balanço Patrimonial atualizado mês a mês, pois isso faz com que o processo seja menos trabalhoso ao final do ano. Provavelmente, você já deve ter visto muitas companhias enviando mensagens de “fechado para balanço” em dezembro.
    Ao fazer o balanço cotidianamente e manter o patrimônio sempre atualizado, você evitará perder muitos dias do último mês do ano com essa atividade. Isso porque, no Balanço Patrimonial, é preciso listar tudo o que o estabelecimento possui, como os itens disponíveis em seu estoque.

    Quem é MEI precisa se preocupar com isso?

    A legislação prevê que todas as empresas de sociedades por ação são obrigadas a desenvolverem um Balanço Patrimonial e divulgá-lo, com a listagem completa de todos os seus bens.
    Como esse não é o caso do microempreendedor individual (MEI), não há a necessidade de que esse pequeno empresário faça um Balanço Patrimonial de seu negócio. E não apenas os MEIs estão isentos dessa obrigatoriedade, pois o mesmo se aplica a todas as empresas pertencentes ao sistema do Simples Nacional.
    De qualquer forma, mesmo não havendo uma obrigatoriedade para a elaboração de tal documento, convém que o trabalho seja feito. Isso porque ele é muito importante para o acompanhamento de contas a pagar e a receber, bem como de outros relatórios de controle das operações realizadas.

    Como um contador pode dar o suporte necessário?

    Não há nenhuma legislação que obrigue os empresários a terem um contador para fazer o Balanço Patrimonial, sendo essa uma atividade que pode ser realizada internamente na organização. No entanto, contar com o auxílio ou a consultoria de um profissional é bastante recomendável.
    O motivo é simples: nem sempre o empreendedor tem conhecimento aprofundado em contabilidade e pode acabar cometendo erros por conta da falta de experiência na área. Desse modo, convém buscar por um suporte profissional para garantir a maior qualidade dos serviços prestados.
    No caso de empresas de pequeno porte, em que o proprietário não conta com um grande time de profissionais que o deem o devido suporte, ter um contador para ajudar nas atividades é ainda mais importante.
    Como se trata de um especialista em lidar com questões burocráticas que envolvem finanças e outros atributos da contabilidade, ele pode auxiliar o empresário nos cálculos de ativos e passivos. Essa pessoa também verificará as obrigações fiscais, além das questões tributárias e financeiras do negócio.
    Mesmo os MEIs e as outras categorias que não necessitam de um Balanço Patrimonial podem contar com o auxílio do contador para executar essa tarefa. Como consequência, haverá mais segurança nas tomadas de decisões, por exemplo.

    O que acontece se a empresa não fizer um Balanço Patrimonial?

    O Balanço Patrimonial é o documento que demonstra toda a estrutura da companhia, listando o que ela tem ou não. Sem esse relatório, fica difícil conhecer o negócio mais a fundo e tomar decisões estratégicas.
    Portanto, na ausência do documento, o empreendedor pode ficar sem norte e entrar em uma crise por conta da falta de conhecimento sobre o que se passa em sua empresa.
    Ao perder o controle dos valores disponíveis para investimentos, por exemplo, o empresário pode acabar gastando mais do que deve e, assim, se envolver em um grande endividamento. Como resultado, é possível que ocorra até mesmo a falência da organização.

    Por que é relevante ter um Balanço Patrimonial da empresa, em resumo?

    De maneira geral, o Balanço Patrimonial não deve ser visto pelos empresários como uma mera obrigação fiscal, mas sim como um instrumento estratégico para o negócio. Por meio desse recurso, é possível, resumidamente, realizar ações como:

    • conhecer todos os bens que a empresa possui, bem como os valores que precisam ser pagos aos credores;
    • entender todas as formas de lucro que podem injetar dinheiro no caixa da empresa;
    • observar como a organização evolui com o passar dos anos e agir estrategicamente para ter ainda mais crescimento no futuro;
    • permitir que seja feito um planejamento estratégico mais completo;
    • possibilitar um planejamento tributário completo e bem executado, evitando que erros sejam cometidos;
    • fornecer informações da empresa para parceiros, investidores, funcionários e demais públicos interessados, agindo com muito mais transparência;
    • assegurar que a organização não entre em crise e mantenha sua saúde financeira por meio de iniciativas baseadas no conhecimento interno do negócio.

    Conseguimos esclarecer como fazer Balanço Patrimonial e os motivos pelos quais esse documento é tão importante para as empresas? Esperamos que nosso artigo tenha sido útil para a sua rotina de trabalho.
    Você tem outra dica para a análise do Balanço Patrimonial? Ou alguma dúvida sobre o assunto que não abordamos neste conteúdo? Que tal, então, deixar um comentário no espaço abaixo? Assim, trocamos opiniões e conhecimentos!

    O que você procura?

    Categoria

    Categorias

      Assine nossa newsletter

      Teste Grátis

      Faça um teste grátis

      Exporte o XML das notas fiscais dos seus clientes

      Seja um parceiro Myrp.